O Papa Francisco dedicou sua homilia matutina na Casa Santa Marta, ao fim do mundo e da própria vida, porque “nesta última semana do ano litúrgico, a Igreja nos faz refletir sobre isso, e “é uma graça”, comenta Papa, “porque não gostamos de pensar no fim”, “adiamos esta reflexão sempre para amanhã”.

Na primeira leitura, tirada do livro do Apocalipse, São João fala do fim do mundo “com a figura da colheita”, com Cristo e um Anjo armado com uma foice. Quando chegar nossa hora, prossegue Francisco, deveremos “mostrar a qualidade do nosso trigo, a qualidade da nossa vida”. E acrescenta: “Talvez alguém entre vocês diga: ‘Padre, não seja tão sombrio, que estas coisas não nos agradam …’, mas é a verdade”:

“É a colheita, onde cada um de nós se encontrará com o Senhor. Será um encontro e cada um de nós dirá ao Senhor: “Esta é a minha vida. Este é meu trigo. Esta é minha qualidade de vida. Errei? “- todos deveremos dizer isso, porque todos erramos – “Fiz coisas boas” – todos fazemos coisas boas; e um pouco mostrar ao Senhor o trigo”.

O que eu diria, pergunta-se ainda o Pontífice, “se hoje o Senhor me chamasse? ‘Ah, nem percebi, eu estava distraído …’. Nós não sabemos nem o dia nem a hora. ‘Mas padre, não fale assim que eu sou jovem’ – ‘Mas olha quantos jovens partem, quantos jovens são chamados …’. Ninguém tem a própria vida assegurada “.

Em vez disso, é certo que todos nós teremos um fim. Quando? Somente Deus o sabe:

“Nos fará bem nesta semana pensar no fim. Se o Senhor me chamasse hoje, o que eu faria? O que eu diria? Que trigo eu mostraria a ele? o pensamento do fim nos ajuda a seguir em frente; não é um pensamento estático: é um pensamento que avança  porque é levado em frente pela virtude, pela esperança. Sim, haverá um fim, mas esse fim será um encontro: um encontro com o Senhor. É verdade, será uma prestação de contas daquilo que fiz, mas também será um encontro de misericórdia, de alegria, de felicidade. Pensar no fim, no final da criação, no fim da própria vida é sabedoria; os sábios fazem isso”.

Assim, conclui o Papa Francisco, a Igreja convida-nos esta semana a nos perguntarmos “como será o meu fim? Como eu gostaria que o Senhor me encontrasse quando ele me chamar? Devo fazer  “um exame de consciência” e avaliar “que coisas eu deveria corrigir, porque não estão bem? Que coisas devo apoiar e levar em frente porque são boas? Cada um de nós tem tantas coisas boas!”. E neste pensamento não estamos sozinhos: “há o Espírito Santo que nos ajuda”:

“Esta semana peçamos ao Espírito Santo a sabedoria do tempo, a sabedoria do fim, a sabedoria da ressurreição, a sabedoria do encontro eterno com Jesus; que nos faça entender essa sabedoria que existe na nossa fé. Será um dia de alegria o encontro com Jesus. Rezemos para que o Senhor nos prepare. E cada um de nós, esta semana, termine a semana pensando no final: “Eu acabarei. Eu não permanecerei eternamente. Como gostaria de acabar?”

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here